Notícias

Publicitário de Cuiabá inspira pais com blog sobre paternidade consciente

Rafael Milon – Pai Que Cria

Por Thalyta Amaral

Uma pesquisa da Universidade de Michingan analisou centenas de famílias para chegar a uma conclusão: crianças que têm um pai que participa da sua criação são mais cooperativas e têm mais autocontrole. A pesar de parecer simples, no Brasil a maioria dos pais ainda não se envolve totalmente na educação dos filhos, o que acaba sobrecarregando as mães.

O publicitário Rafael Milon sempre quis fazer diferente e estar presente na vida dos filhos. Ele é assim com a Giovanna e a Antonella, suas filhas que o inspiraram a criar o página Pai que Cria no Instagram. Lá ele ajuda outros pais a trabalhar a paternidade consciente e a criação com amor e carinho.

Rafael Milon - Pai Que Cria
Rafael Milon – Pai Que Cria

Há cerca de um ano ele começou o projeto que já tem mais de 10 mil seguidores. “Minha esposa Ana já trabalhava com fotos de gravidez e nascimentos e tinha uma rede de mães. Aí decidi fazer isso com os pais, tentar criar um círculo de apoio para os pais. Começou no WhatsApp e depois foi para o Instagram, para alcançar mais pessoas”, lembra o publicitário.

Do Instagram o projeto também deu origem ao blog Pai que Cria, para que mais pais possam ter acesso a informações e dividam experiências. “Tenho duas filhas e a decisão de ser mais participativo foi tomada na primeira. Por exemplo, eu faço questão de levar e buscar as minhas filhas na escola, de ser as pessoas que elas dão tchau. Muita gente terceiriza isso, mas eu faço questão de participar”, explica Rafael.

Rafael Milon - Pai Que Cria
Rafael Milon – Pai Que Cria

Ele lembra que muita gente achou estranha essa forma de ser pai, sendo presente e dividindo as responsabilidades, mas ele também recebeu muito apoio. “Algumas pessoas acham diferente, porque foge do conceito do que é a família tradicional, onde fica a cargo da mãe a criação. Sempre tem gente que pergunta se estou de babá das minhas filhas, mas respondo tranquilamente que não estou como babá, estou como pai”.

A visão “diferente” sobre a paternidade também afetou a forma como Rafael enxerga a criação das filhas. “Eu crio as milhas filhas para serem melhores, para estar em um mundo melhor. Para que elas sejam mulheres empoderada e possam tomar as próprias decisões”.

Família reunida - Pai que Cria
Família reunida – Pai que Cria

Nesse grupo de apoio, Rafael encontrou pais curiosos e que até queriam mudar, mas não sabiam como. Através do blog e do Instagram ele fala sobre saúde (com ajuda de especialistas), criação, participação do pai, abandono afetivo, escolha da escola, educação positiva e muito mais.

“Falamos sobre a criação dos nossos filhos, para que as meninas achem uma pessoa no futuro que as trate tão bem quanto nós. E para que os meninos tratem as meninas e mulheres com mais respeito. Tenho amigos que têm filhos e brincam de ser pai, brincam com bonecas. E isso só tem consequências positivas”, afirma Rafael.